domingo, 31 de outubro de 2010

Mãe de aluno agride professora na sala de aulas

Castelo Branco

Mãe de aluno dá pontapés em professora

Uma professora do ensino básico do Agrupamento de Escolas Afonso de Paiva, em Castelo Branco, foi espancada dentro da sala de aulas pela mãe de um aluno. A turma, constituída por 16 crianças, na maioria de sete anos, assistiu às agressões.

“Ela entrou na sala, puxou-me os cabelos, insultou-me, deu-me bofetadas, pontapés, e atirou-me ao chão. Foi horrível”, contou ontem Lídia Ramos ao CM.

A agressora alega que a docente deu uma palmada ao filho na sala de aulas. Lídia Ramos desmente. E lamenta a falta de segurança no estabelecimento, que “permite a entrada a qualquer pessoa, até na sala de aulas”.

Não foi possível obter uma reacção do responsável pelo agrupamento, porque Joaquim Abrantes passou o dia “em reuniões”.

Correio da Manhã

Consumidores «compram gato por lebre»

Azeite comum só tem 20% de azeitona, o resto são óleos

O presidente de uma organização de produtores agrícolas transmontanos alertou hoje que o produto rotulado apenas de “azeite” contém só 20% deste produto, sendo o restante constituído por outros óleos alimentares.

Quem queira comprar apenas azeite genuíno deve optar pelas embalagens que anunciem conter um produto “virgem”, recomendou o presidente da Associação de Olivicultores de Trás-os-Montes e Alto Douro (AOTAD) durante um semanário subordinado ao tema “Novos Caminhos para o Olival e Azeite”, que decorreu na localidade de Santulhão (Vimioso).

“Em Portugal, a palavra azeite está conotada com toda a fileira de produção. Quando se vê no rótulo [apenas] a palavra azeite, estamos a adquirir um produto de baixa qualidade, cuja composição é de 80 por cento de óleo vegetais e apenas 20% de azeite virgem”, adiantou o dirigente da AOTAD.

As embalagens de azeite puro, acrescentou, têm a referência “virgem” ou “extra virgem”.

Em Espanha, exemplificou, aquilo que cá é designado apenas azeite, lá é chamado óleo de azeitona, para fazer a distinção.

A designação usada em Portugal é “enganosa” e prejudica os consumidores, que “compram gato por lebre”, considerou António Branco.

O produtor realçou que o azeite virgem “é o sumo da azeitona” extraído por métodos mecânicos, enquanto o óleo resulta do aproveitamento do bagaço (pele e caroços) da azeitona.

Para acabar com a situação, deveria alterar-se a legislação, defendeu.

Na região de influência da AOTAD, que engloba concelhos transmontanos e durienses, “num ano regular são produzidos cerca 90 milhões de quilos de azeitona”, que originam 16 milhões de litros de azeite virgem e cinco milhões de litros de extra virgem.

Jornal de Notícias

Progressões e reposicionamentos criam dúvidas nos Professores

Educação

Fenprof exige esclarecimentos da tutela sobre progressões e reposicionamentos

31.10.2010 ― 14:40 Por Lusa

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) vai exigir ao ministério da Educação “esclarecimentos a dúvidas sobre as actuais progressões e reposicionamentos” dos professores, divulgou hoje aquela organização.

Em nota distribuída às redacções a Fenprof diz que a tutela “prefere incomodar e perturbar o normal funcionamento das escolas, a ajudá-las”, informando que não percebe porque é que o ministério enviou às escolas, na tarde de sexta feira dia 29, “duas circulares que esclarecem como se transita para a carreira docente”.

A Fenprof classifica de curioso “eventuais situações de benefício de docentes” que deverão ser reparadas, ficando estes “obrigados a repor as verbas indevidamente recebidas”, sem que “nunca se refira que em situações contrárias, que beneficiem a administração”.

A entidade representativa dos professores adianta que o que as “escolas menos necessitam” é que a tutela “venha pôr em causa o trabalho desenvolvido nos últimos três anos, na sequência da legislação publicada e dos esclarecimentos que receberam”.

De acordo com a informação distribuída, a Fenprof irá na próxima terça feira dirigir-se ao Ministério da Educação para não atrasar as mudanças na carreira docente.

PÚBLICO

Pais e Professores criticam intenções do Ministério da Educação

Reformas

Pais Chumbam bandeiras na educação deixadas a meio

por HÉLDER ROBALO

Professores acompanham encarregados de educação nas críticas ao ministério.

Pais e professores dão nota negativa a algumas das bandeiras do Ministério da Educação (ME). Estudo Acompanhado e Área Projecto deixados a meio, a continuidade da formação cívica questionada, professores colocados nas escolas apenas por quatro anos e o reordenamento da rede escolar são as medidas mais criticadas.

O que precisamos é de bandeiras que sejam concretizadas e continuada”, defende o secretário-geral da Federação Nacional de Educação. Para João Dias da Silva, “há no nosso país um certo sentimento autofágico”. E justifica: “Achamos sempre que estamos a fazer a última moda e que é melhor do que a anterior.” Algo que é visível, por exemplo, na criação das áreas curriculares não disciplinares de Estudo Acompanhado, Área [de] Projecto e Formação Cívica.

A redução das aulas de 50 para 45 minutos, criando estas áreas transversais, foi uma invenção da secretária de Estado da Educação de António Guterres, Ana Benavente”, recorda Dias da Silva, frisando que a FNE sempre se opôs a esta decisão. “Agora acaba-se com elas sem se saber o que vai acontecer a esses períodos”, adianta. No caso da Área [de] Projecto, a disciplina pesava na classificação final do aluno e podia ditar a sua retenção em caso de negativa.

O presidente da Confap traça duras críticas ao fim do Estudo Acompanhado e da Área [de] Projecto, mas recorda que “os projectos estão a correr e mesmo que o Orçamento seja aprovado, isso só se aplicará no próximo ano lectivo”. “Agora esses créditos de horas serão geridos pelas escolas, seja para acompanhar o estudo, seja para os projectos ou até para formar alunos”, frisa. Porém, Albino Almeida não deixa de criticar o “corte cego” nos orçamentos das escolas, devido à interferência do Ministério das Finanças.

Corte que leva o presidente do Sindicato dos Professores da Grande Lisboa a duvidar que “o Ministério da Educação tenha responsabilidade na definição do seu orçamento para 2011. “Isto leva a um corte muito grande do número de professores no próximo ano lectivo, mas não só”, diz António Avelãs, que garante que, com o fim dessas disciplinas, “também o horário dos bibliotecários das escolas será reduzido”.

António Avelãs acredita mesmo que com estas alterações e com as reduções salariais por via do Orçamento do Estado, o ME conseguirá reduzir [a] despesa por outra via. “Achamos que um número significativo de professores vai pedir a reforma antecipada, o que vai levar a um aumento do número de docentes contratados”, salienta.

Também crítica é a decisão de reorganizar a rede escolar. “É uma medida meramente economicista e devia ser assumida como tal”, defende António Avelãs, frisando que a criação de mega-agrupamentos não pode ter na sua génese objectivos pedagógicos. Já o presidente da Confap defende que “o Governo colocou sérios entraves na concretização da medida porque colocou um limite de 3000 alunos por agrupamento”.

Fernando Savater: «A escola não é democrática»

«A escola não é democrática. Nem deve sê-lo. A escola é a preparação para a democracia. Uma aula é hierárquica. O professor está sempre acima dos alunos. A escola deve estar a preparar os jovens para ser cidadãos. A escola não tem os mecanismos da democracia nem deve ter.»

Fernando Savater

Entrevista Fernando Savater [Atual 30.10.2010]

Miúdo torna-se analista da Microsoft

Rapaz de 11 anos é analista da Microsoft

Mahmoud, a quem chamam “génio”, só tem 11 anos, mas já está a estudar na universidade. O seu coeficiente intelectual é 155 pontos.

Mahmoud Wael, um miúdo egípcio de 11 anos, tornou-se técnico da poderosa Microsoft devido à sua capacidade invulgar e precoce de resolver cálculos complexos em poucos segundos e dominar as redes de computadores.

“O meu pai descobriu esta minha habilidade quando eu tinha três anos ao resolver uma conta de multiplicar da minha irmã”, contou Mahmoud. Após a descoberta, um exame determinou que o seu coeficiente intelectual é de 155.

A poderosa multinacional de computadores sempre atenta a estes fenómenos, deu-lhe de presente há seis anos um computador e recentemente nomeou-o analista tecnológico.

Mahmoud matriculou-se aos nove anos na prestigiada Universidade Americana do Cairo, onde estuda Informática. “Agora já sou um profissional em redes de computadores e já poderia trabalhar”, afirmou o rapaz que se diz apaixonado por informática. “Talvez eu acabe a trabalhar para a Microsoft”, referiu, acrescentando que foi o profeta Maomé quem lhe deu a inteligência: “Meu coeficiente é uma das muitas razões pelas quais eu amo Deus.”

Diário de Notícias

Digam lá que este retrato não se ajusta aos tempos actuais!...

«O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos e os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido, nem instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita. Não existe nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Já se não crê na honestidade dos homens públicos. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos vão abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao acaso. Perfeita, absoluta indiferença de cima a baixo! Todo o viver espiritual, intelectual, parado. O tédio invadiu as almas. A mocidade arrasta-se, envelhecida, das mesas das secretarias para as mesas dos cafés. A ruína económica cresce, cresce, cresce... O comércio definha, A indústria enfraquece. O salário diminui. A renda diminui. O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.»

Eça de Queirós

sábado, 30 de outubro de 2010

Plano de Austeridade do Professor

«Não concebo a vida sem eles porque não sei fazer mais nada»

«Eu disse várias vezes que ia deixar de escrever e tenho a maior vontade de o fazer. Simplesmente não sou capaz, porque a minha vida fica completamente sem sentido...

Neste livro [o próximo] já vislumbro, dentro do magma, a primeira versão. Mas está a dar-me tanto trabalho que acabo o dia estafado fisicamente. Este que saiu agora [Sôbolos Rios Que Vão], enquanto manuscrito, tinha cinco vezes o tamanho do que foi publicado. Parece que estou a descascar uma cebola e que a cada revisão sai uma película até ficar como quero. Fico completamente escravo do livro. e, quando digo que vou deixar de escrever, é do coração, mas não sou capaz... Parece que há diante de mim um abismo nos intervalos dos livros, mas não concebo a vida sem eles porque não sei fazer mais nada...»

António Lobo Antunes em entrevista

ao Diário de Notícias

Recomendações do CCAP sobre a avaliação do desempenho dos docentes

Recomendações N.º 6/ CCAP/ 2010

OPINIÃO > Ricardo Araújo Pereira: «Ao salvamento! Mercados e crianças primeiro»

Pedido de aulas assistidas só termina na próxima terça-feira

Avaliação de Desempenho

Professores ainda podem pedir aulas assistidas na terça-feira

30.10.2010 12:28 Por Graça Barbosa Ribeiro

O Ministério da Educação, através do gabinete de imprensa, confirmou ontem que, no âmbito do processo de avaliação de desempenho, os professores poderão entregar os objectivos individuais e o pedido de aulas assistidas até terça-feira, dia 2 de Novembro.

Várias direcções de escolas estabeleceram como prazo limite o dia de ontem, sexta-feira, ou seja, o dia último dia útil antes da data definida para o efeito pelo ministério (31 de Outubro, domingo). “De acordo com A a alínea e do artigo 279.º do Código Civil e a alínea c do n.º 1 do artigo 72.º do Código do Procedimento Administrativo, como o dia 31 de Outubro é um domingo e o dia 1 de Novembro é feriado nacional, o último dia para a apresentação do pedido é o dia 2 de Novembro de 2010”, confirma o ministério em nota enviada pelo gabinete de imprensa ao PÚBLICO.

PÚBLICO

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Os perigos dos pesticidas

Dominique Belpomme, professor de oncologia em Paris, revela os riscos para a saúde relacionados com a aplicação nas terras agrícolas de produtos químicos não controlados.

Quando a pressão não tem limites...

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

OPINIÃO > Luís Costa: «Cosam-se uns aos outros»

Quando era catraio, gostava das procissões, mas não era muito por questões religiosas. Eu e os meus amigos, também danados para as maroteiras, colocávamo-nos atrás das velhas, para lhes ir atando as pontas dos xailes. Na hora da despedida, quando davam conta que estavam todas atadas umas às outras, com nós muito apertadinhos, desatavam imediatamente a pecar por palavras. Lá se ia a compostura!

GLOSA

No ensino, a coisa anda mais ou menos como nas procissões de antanho: andamos todos a coser-nos uns aos outros, e bem cosidinhos! Senão vejamos:

— os directores cosem toda a gente, mas podem bordar, a ponto de cruz, os senhores coordenadores;

— os coordenadores cosem os relatores;

— os relatores cosem os professores;

— os professores cosem-se uns aos outros;

— excepto os que estão no topo da escala costureira, todos os restantes podem ser cosidos por um colega formador, que até pode, na sua escola, ser um simples professor, portanto cosido pelos demais (cose num lado e é cosido no outro).

Na minha meninice, a brincadeira não era tão promíscua: as velhas não se cosiam umas às outras. Éramos nós que as cosíamos, e elas, como eram educadas, retribuíam o gesto: mandavam-nos coser vezes sem conta.

Razão tinha Fócrates, quando dizia que a vida é uma soda!

Ministério da Educação desenha fato para os professores

«Os padrões de desempenho docente que aqui se apresentam, e que constituem um elemento de referência da avaliação de desempenho, visam providenciar um contexto para o julgamento profissional levado a cabo pelos docentes no decurso da sua actividade. Não pretendem substituir esse julgamento. Não existe nenhum elenco de padrões de desempenho que preveja todas as circunstâncias possíveis e que seja aplicável de forma universal sem a interpretação do profissional docente.

Os padrões de desempenho definem as características fundamentais da profissão docente e as tarefas profissionais que dela decorrem, caracterizando a natureza, os saberes e os requisitos da profissão. Podem ser considerados como um modelo de referência que permite (re)orientar a prática docente num quadro de crescente complexidade e permanente mutação social, em que as escolas e os profissionais de ensino são confrontados com a necessidade de responderem às exigências colocadas por essas transformações e, em muitas situações, anteverem e gerirem com qualidade e eficácia as respostas necessárias. Assim, enquanto elemento de referência nacional, o documento dos padrões de desempenho deve ser lido em contexto, isto é, de acordo com o projecto e características de cada escola e com as especificidades da comunidade em que se insere.

Finalmente, os padrões de desempenho docente que aqui se apresentam pretendem constituir um documento orientador para a afirmação de um dispositivo de avaliação justo, confiável e que contribua efectivamente para o desenvolvimento profissional de todos os docentes envolvidos.»

Introdução ao Despacho n.º 16034/2010,

publicado no Diário da República n.º 206,

2.ª série, de 22 de Outubro de 2010

MÚSICA > Manuel Freire: «Pedra Filosofal»

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Cavaco será “árbitro independente” a olhar o futuro

20.15: “Depois de uma profunda reflexão decidi recandidatar-me à Presidência da República”. Foi desta forma que Cavaco Silva iniciou o seu discurso, no Centro Cultural de Belém, à hora marcada.

O Presidente da República fez, no discurso, um pequeno balanço do seu primeiro mandato, mas também olhou para o futuro. Futuro que, disse, é a razão que o leva a recandidatar-se.

A crise económica foi referida por Cavaco, que por isso deixou a promessa: “A minha campanha será sóbria e contida”. E concretizou como: “Dei instruções para que não se gaste [na campanha] mais do que metade do que a lei permite. Não colocarei um único cartaz exterior, os chamados outdoors”.

Já demonstrei que sei exercer [o cargo] com benefício para Portugal”, continuou Cavaco, num discurso que ultrapassou os 12 minutos programados. “A imagem e a credibilidade do País e a confiança que suscita no exterior são da maior importância nos tempos que correm”, disse ainda.

O presidente tem de ser uma personalidade respeitada e credível. Exige-se ao Presidente da República bom senso, realismo, serenidade e ponderação”, lembrou.

Assumindo que “a transparência tem sido um marco” do seu mandato, Cavaco afirmou que os portugueses o conhecem “como um homem de trabalho”.

()

Diário de Notícias

Portugal permanece na lista dos países mais corruptos da Europa

Portugal permanece um dos países mais corruptos da Europa

Portugal melhorou relativamente a 2009, passando de 35.º lugar para 32.º, mas permanece um dos países da Europa Ocidental em pior posição. Em 2000 ocupava a 25.ª posição, tendo vindo sempre a decair

Portugal sobe no ranking anual sobre a percepção da corrupção da Organização Não-Governamental Transparency International (TI), ocupando agora o 32.º lugar com uma pontuação de 6 valores em 10 (melhor pontuação possível). Em 2009 ocupava o 35.º lugar. No entanto, a posição deste ano corresponde ao 34.º lugar do ranking, uma vez que dois dos países melhor classificados, Santa Lucia e São Vicente & Grenadine, não foram este ano avaliados. Em termos do espaço europeu, Portugal ocupa a 19.ª posição, em 30, apenas à frente de Itália, Grécia, Malta e países do antigo bloco de Leste. Em 2000 ocupava a 25.ª posição, tendo vindo sempre a decair nos últimos 10 anos.

“Uma vez que a avaliação do comportamento destes índices internacionais deve ser feito ao longo do tempo, notamos que a tendência de Portugal na última década vem sendo de depreciação. No início da década, em 2000, ocupava a 23.ª posição, com um ranking de 6.4”, explica Paulo Morais, vice-presidente da Transparência e Integridade — Associação Cívica (TIAC).

()

Diário de Notícias

Uma biblioteca sempre disponível

Biblioteca Municipal da Batalha

CD com canções originais para aprender a tabuada

Se a música e a matemática têm muito em comum, nada melhor que um CD de canções originais para aprender a tabuada com novos ritmos. Foi o que pensou Rute Moreira, psicóloga e criadora de projectos pedagógicos como a Caixa do Tempo. «O CD Tabuada surgiu da necessidade que senti, como profissional e como mãe, de ferramentas que ajudem as crianças a decorar certas matérias de forma natural», disse ao IOL Mãe.

A tabuada é fundamental, «até porque desenvolve sinapses cognitivas importantes, mas a motivação para a memorizar é nula. É por isso que as crianças não a retêm», explica.

Mas se elas decoram as falas dos filmes preferidos e as letras das canções com tanta facilidade, porque não decoram assim a tabuada? A resposta está num estudo que descobriu que no top das coisaa que as crianças memorizam mais facilmente estão as que lhes provocam emoções positivas: filmes aos quais acham graça e que viram com os pais, canções que lhes despertam emoções boas.

Ora a tabuada não tem relação com coisa nenhuma na vida das crianças e não desperta qualquer emoção. Muito menos com a velha música que faz sono. «Decidi então escrever, com os meus filhos e sobrinhos, histórias onde a tabuada estivesse embrulhada, e que pudessem depois ser musicadas. Assim, ao memorizarem as canções, estão também a memorizar a tabuada», conta Rute Moreira. E resulta? «Foi assim que os meus filhos a decoraram. Na escola, perante um exercício, a tabuada está lá e as sinapses vão estabelecer-se», garante.

Rute desafiou alguns músicos profissionais para se juntarem ao projecto e transformarem as histórias em canções, pois a qualidade musical era essencial. «Tabuada» junta nomes como João Só, Os Pontos Negros, Sam the Kid, Macacos do Chinés, Lúcia Moniz, Pinto Ferreira, Mundo Complexo, MC Ridículo e Black Jakers.

O CD foi apresentado no dia 20, no Museu Escola Superior João de Deus, e está à venda a partir de hoje. Além da música oferece desenhos, vídeos e desafia as crianças a aprenderem coreografias divertidas e pedagógicas. Com esta banda sonora, a tabuada vai deixar de ter segredos.

Resta deixar um conselho de Rute Moreira: «O CD deve ser ouvido e cantado com os pais, no carro e em casa. As crianças aprendem melhor quando há emoção. Vão decorar as músicas porque têm os ritmos que elas gostam, mas vão fazê-lo ainda mais facilmente se os pais também cantarem. As aprendizagens que envolvem emoção ficam para a vida toda.»

TVI

Reorganização curricular forçada põe fim à Área de Projecto


Para rir… ou talvez não!

Depois de mais uma reunião da UE alguns Ministros, para “aliviar” a pressão, resolvem passar pelo Louvre e, alguns deles param meditativos perante uma excelente pintura de Adão e Eva no Paraíso.

Desabafa Angela Merkel:

— Olhem, que perfeição de corpos: ela esbelta e esguia, ele com este
corpo atlético, os músculos perfilados... São necessariamente
estereótipos alemães.

Imediatamente Sarkozy reagiu:

— Não acredito. É evidente o erotismo que se desprende de ambas as
figuras... Ela tão feminina... Ele tão masculino... Sabem que em breve
chegará a tentação... Só poderiam ser franceses.

Movendo negativamente a cabeça, o Gordon Brown arrisca:

— Of course not! Notem... A serenidade dos seus rostos, a delicadeza da pose, a sobriedade do gesto. Só podem ser ingleses.

Depois de alguns segundos mais de contemplação, Sócrates exclama:

— Não concordo. Reparem bem: não têm roupa, não têm sapatos, não têm casa, só têm uma simples maçã para comer... Não protestam e ainda pensam que estão no Paraíso. Não tenham a menor dúvida, são portugueses!

~ Dictionary of slang: ‘Everything went off A1, he said’

Jeremy Noel-Tod helped to compile a new multi-volume dictionary of slang by scouring novels from Ulisses to Right Ho, Jeeves. Here he describes the unique project, and reveals his delight in the power of slang to revitalise everyday language.

()

Telegraph

CRÓNICA > Miguel Esteves Cardoso: «Um segredo de um casamento»

Confesso que a minha ambição era a mais louca de todas: revelar os segredos de um casamento feliz. Tendo descoberto que são desaconselháveis os conselhos que ia dar, sou forçado a avisar que, quase de certeza, só funcionam no nosso casamento.

Mas vou dá-los à mesma, porque nunca se sabe e porque todos nós somos muito mais parecidos do que gostamos de pensar.

O casamento feliz não é nem um contrato nem uma relação. Relações temos nós com toda a gente. É uma criação. É criado por duas pessoas que se amam.

O nosso casamento é um filho. É um filho inteiramente dependente de nós. Se nós nos separarmos, ele morre. Mas não deixa de ser uma terceira entidade.

Quando esse filho é amado por ambos os casados — que cuidam dele como se cuida de um filho que vai crescendo —, o casamento é feliz. Não basta que os casados se amem um ao outro. Têm também de amar o casamento que criaram.

()

PÚBLICO

30% das crianças chumbam no 1.º Ciclo

OPINIÃO > Rui Ramos: «A política da imagem»

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Bebés vão passar a ter cartão de cidadão

OE 2011 obriga bebés a tirar o cartão de cidadão

Se não o fizerem, pais não poderão declará-los como dependentes e perdem benefícios

Os bebés vão ser obrigados a tirar o cartão do cidadão, para poderem ser considerados dependentes dos pais, para efeitos de declaração de rendimentos.

De acordo com a versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2011, a que a Agência Financeira teve acesso, haverá uma alteração ao Código do IRS onde se prevê que, para serem considerados dependentes, os filhos dos sujeitos passivos de imposto têm de estar «devidamente identificados pelo número fiscal de contribuinte na declaração de rendimentos».

Para que possam ter número de contribuinte, as crianças e bebés terão assim de tirar o cartão do cidadão. Se não o fizerem, os pais não poderão beneficiar das deduções automáticas a que têm direito pelos filhos.

Veja aqui todas as alterações do OE2011 e o impacto no seu bolso

O cartão do cidadão custará 7,50 euros a cada criança e bebé já que, desde o passado dia 1 de Outubro, deixou de ser gratuito para crianças até aos seis anos. Estas pagam agora metade do custo normal, para os adultos, que é de 15 euros.

Fonte

Entidades dependentes do Estado nadam em dinheiro…

Em dois anos, a RTP recebeu pelo menos 1,5 milhões de euros em publicidade pagos por entidades públicas, sem contar com os municípios.

De acordo com o portal de contratos públicos Base (http://www.base.gov.pt) onde as entidades de natureza estatal têm que publicitar os contratos de ajuste directo, entre contratos de publicidade de organismos como o Turismo de Portugal, Agência Nacional para a Qualificação, Instituto da Segurança Social, Inatel, Direcção-Geral da Saúde, Força Aérea e Alto Comissariado da Saúde, a empresa de rádio e televisão públicas facturou 1,504 milhões de euros.

()

PÚBLICO

«The apology of Sócrates»

SPANISH matadors kill bulls in the ring; the Portuguese put them down after the fight. When the Greek debt crisis threatened to engulf Iberia in May, Spain went in for the kill, slashing spending and freezing pensions. The more measured approach of José Sócrates, Portugal’s prime minister, involved limiting wage cuts to politicians and senior civil servants, increasing value-added tax and postponing big infrastructure projects. Spain’s quick moves helped it escape the storm. But Portugal’s borrowing costs soared to a euro-era record in September. Now Mr Sócrates has been forced to accept his mistake with a new austerity package at least as tough as Spain’s.

()

The Economist

Memória dos comboios em exposição no museu do Arco de Baúlhe

No dia 28 de Outubro de 1856 foi inaugurado o troço que ligava Lisboa ao Carregado, com uma extensão de 36 quilómetros. Ao Norte, o comboio chegou em 1875, com as linhas do Minho e do Douro. A Linha do Tâmega, ligando a Livração (na Linha do Douro) a Arco de Baúlhe, foi concluída em 1949, sendo anunciado na imprensa da época «um ridente futuro» para a região. Em 2005, foi inaugurado, na estação ferroviária do Arco de Baúlhe, o Museu das Terras de Basto, actualmente Núcleo Ferroviário de Arco de Baúlhe, onde foi ontem inaugurada a exposição “Comboio a comboio se percorre... o Mundo: comboios europeus”, em que, através da exposição de comboios em miniatura e da apresentação de filmes se torna possível conhecer os comboios mais famosos que circularam nas linhas de caminho-de-ferro europeus.

Mais informações aqui